Episódio 8 – Lindos Casos: Presença Espírita de Augusto Cezar Neto


Lindos Casos – A ligação espiritual de Augusto Cezar Neto (espírito) com Peirópolis


Várias entidades espirituais dedicavam assistência ao médium Langerton em suas atividades em Peirópolis que não eram poucas. Tinha uma rotina semanal intensa dividida entre os estudos, manutenção do Internato Espírita, da Farmácia Frederico Peiró, do Albergue Noturno, do Culto Cristão do Evangelho no Lar, manipulação de remédios e viagens para atendimento em outras cidades. Isso tudo além dos deveres que todo o pai de família tem para com a sua casa. Já contamos que o nosso saudoso professor tinha dois filhos do seu consórcio com a Senhora Ana dos Santos e mais vinte e dois filhos que ele adotou, educou e formou em sua casa. A saúde física sempre foi um ponto alto pois ele obedecia rigorosamente a alguns preceitos que lhe foram orientados pelos espíritos. Não tomar nada com gás (refrigerantes e etc), nenhuma bebida alcoólica e nada que fosse gelado. Também não comia frutos do mar. Assim vivia e cumpria com a sua missão.

Os benfeitores que sempre se manifestavam eram Emílio Luz, Eurípedes Barsanulfo, Dr Adolpho Bezerra de Menezes, Mariano da Cunha, Frederico Peiró e Augusto Cezar Neto entre várias outras entidades que faziam sua presença quando necessário.

A história desta ação do espírito Augusto Cezar Neto é muito interessante pois vem de uma afinidade desta entidade no trabalho com Jovens. A Psicografia de alguns livros desta entidade pelo médium Chico Xavier se deram em Peirópolis, no quarto numero 03 do Albergue Noturno Dr Adolpho Bezerra de Menezes e Emílio Luz (Peirópolis).

No final transcrevemos do Livro Amor e Saudade, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier, uma mensagem do Augusto que retrata esta gratidão dele com o trabalho do médium Langerton, realizado em Peirópolis.


Algumas informações importantes sobre o Augusto Cesar Netto


Nasceu em 26/09/1942 e desencarnou em Praia Grande (por afogamento) no dia 27/02/1968. Jovem estudioso e trabalhador, deixou a indústria para trabalhar com o pai na extração de areia para construção civil. Era esportista em renomado clube de são Paulo (Clube Ipê) o qual representava em competições oficiais.

Seus pais Raul Cezar e Yolanda Cezar depois de muita dor pela perda resolveram procurar ajuda encaminhando-se a Uberaba para quem sabe através das mãos do Chico receber uma mensagem do Augusto o que aconteceu em Fevereiro de 1973. Depois desta mensagem, várias outras se sucederam.

Mãe e Pai se converteram em valorosos trabalhadores da doutrina espírita. Muito ajudaram a Chico Xavier na assistência social aos necessitados de Uberaba, mas sem esquecer dos necessitados de sua cidade já que nela (São Paulo) fundou o Lar-Oficina, instituição filantrópica que assiste as famílias carentes e reuniões espirituais. Dna Yolanda Cezar voltou a pátria espiritual aos 91 anos de idade.


Augusto (espírito) encaminha um casal à Peirópolis para tratamento do Filho com um tumor na cabeça


Essa é uma das histórias que muito emocionava o nosso querido médium quando ele nos contava. Sentíamos o carinho que ele tinha por esta entidade espiritual que era o Augusto, um jovem no além. Retratamos á todos ao mesmo sabor das emoções de quando ouvíamos debaixo das árvores de Peirópolis.

Havia um casal que morava em Mato Grosso e que tinham um filho de 13 anos diagnosticado com um tumor na cabeça. Havia muita angústia naquele lar, pois a criança sentia muitas dores de cabeça devido ao problema. O pai era médico e sabia o que aquilo significava. A mãe religiosa, pedia sempre ajuda a Jesus, já que a ciência médica já havia desenganado o caso para os pais. Havia dias que o pai chegava a aplicar cinco injeções no filho para aliviar a dor…

Foi quando em um dia de muitas angústias e preces que um jovem bate na porta da casa desta família e diz para a mãe que atende a porta: – A senhora gostaria de ver o seu filho curado? A mãe respondeu que sim, entre lágrimas, que faria qualquer coisa para acabar com aquele sofrimento do filho.

Então o Jovem pediu um lápis e papel e escreveu o Endereço onde ela encontraria a cura para o Filho. No bilhete estava: Vila Cantinho Espírita – Peirópolis (MG). Procurar por Langerton e dizer a ele que fui eu quem enviou vocês. No Final, o Jovem assinou o nome no papel e se despediu.

Uma verdadeira agitação se estabeleceu na casa pois o marido achou uma loucura sair com a criança naquele estado e a mãe, fervorosa foi fazendo a mala. Saíram a uma viagem de quase 2.000 Km. Um dia inteiro de viagem e com muita expectativa chegaram em Peirópolis e foram recebidos pelo médium Langerton.

- Viemos aqui para curar o nosso filho. Ele tem um tumor no cérebro.

Preocupado com aquela declaração respondeu Langerton:- Mas minha Senhora, não podemos prometer a cura para ninguém, pois a cura depende da misericórdia de Deus e dos espíritos.

A Senhora confiante arguiu: – Mas este moço que me deu este bilhete disse que aqui ele seria curado. E mostrou o bilhete.

Quando o Médium leu e viu a assinatura no final do bilhete: “Augusto Cezar Neto”, respondeu já com as lágrimas nos olhos: – “ Se esta pessoa que está aqui afirmou isso, é que podemos esperar pela misericórdia de Deus e da ajuda dos espíritos. Fiquem aqui o tempo que quiserem. A casa é de vocês! “ E saiu para a farmácia para preparar os remédios fitoterápicos e preparar a hospedagem da família no Lar dos Apóstolos. Um dos prédios da instituição.

O ambiente entre as árvores frondosas, Jatobás, Mangueiras, Ipês, tornavam ainda mais especial aquele lugar. A família passou o dia desfrutando da companhia do médium naquela “Cafarnaum” do cerrado sem maiores novidade. A dor de cabeça não deixava o Jovem que exigia constantes cuidados do pai com medicamentos para tentar aliviar aquele sofrimento.

Derrepente um alvoroço chama a atenção do médium que se dirige ao Lar dos apóstolos. É que a família viu a foto e o nome do Augusto Cezar Neto na parede da sala do lar dos Apóstolos num espaço de homenagem aos benfeitores espirituais da instituição, descobrindo que na verdade, o jovem que assinou o bilhete na casa deles, já havia desencarnado. O Langerton explicou que eles não se preocupassem que este espírito era um dos benfeitores que muito assistiam a instituição e que havia desencarnado muito Jovem e que pela bondade de Deus, por alguma razão, intercedeu em favor da criança, fazendo isso pessoalmente, materializando-se na porta da casa. A assinatura do bilhete foi feita para que o Langerton acreditasse que a cura seria feita e que seria uma ação dos espíritos.

O leitor pode estar se questionando: – porque Peirópolis e não outro lugar? Esta resposta pede um livro escrito sobre a movimentação dos fluidos espirituais e ação deles na estrutura do homem, física-psíquica e espiritualmente falando. Mas, por hora, resumimos dizendo que ali estavam concentrados todos os elementos para uma ação de efeito-físico que seria a forma em que se daria a cura da criança, a desmaterialização do tumor. O Magnetismo especial da atmosfera da região, das pedras, das árvores. A austeridade moral do médium, a sua qualidade mediúnica curadora (médium de efeito físico) e tudo o mais que deixaremos para falar mais tarde em apontamentos específicos para estudo desta matéria que consta no Capítulo XIV e XV da Gênese e do Livro dos espíritos e Livro dos Médiuns de Allan Kardec.

Mas voltemos a continuação da história deste jovem.

O dia amanheceu e o sol trouxe bençãos de alegria para todos. O canto dos pássaros, o aroma das ervas medicinais plantadas ao longo de todo o ambiente, das ervas naturais da região, enchiam de vida cada metro da Vila Cantinho Espírita. Estrategicamente e especialmente eram dispostas em toda vila as pedras semi-preciosas (brutas) que ele tanto amava. Ametistas, cristais de rocha, esmeraldas brutas, turmalinas, árvores fósseis, ágatas que tornavam o lugar ainda mais especial.

De repente um grande alvoroço se estabeleceu na área em frente a Farmácia Frederico Peiró. Vindo rápido, Langerton encontra a família abraçada e chorando escutando o filho dizer que já estava curado.

Mais calmo o Jovem narrou ao médium que estava sentado em frente a farmácia quando viu um homem vir rápido em sua direção. Estava vestido de branco. Parou diante dele e mergulhou as mãos “dentro da sua cabeça” sentindo que algo estava sendo extraído de dentro de sua cabeça, ainda viu esta pessoa dispersar no ar uma uma pequena massa acinzentada aliviando, imediatamente e completamente, a dor de cabeça que a meses ele sentia.

O médium nos contou que se tratava de uma entidade especializada em manipulação dos fluidos que fez esta cirurgia espiritual na criança removendo o tumor.

O próprio menino declarou que estava curado. Entre bênçãos de amor e fé a família se despediu de Peirópolis retornando ao lar com a novidade da cura do menino! Alguns exames posteriores foram feitos e comprovado que não existia mais nada e que de fato estava a criança completamente curada!

O médium ainda viu, enquanto a família se despedia, o benfeitor espiritual Augusto Cézar Neto sorrir-lhe apontando para o céu, indicando que é de lá que tudo devemos esperar, é de lá que emana tudo aquilo que verdadeiramente precisamos para nossas vidas.

Quanto a nós só temos a agradecer por nosso professor compartilhar esta bênção com todos nós!


“Portanto eu lhes digo: não se preocupem com suas próprias vidas, quanto ao que comer ou beber; nem com seus próprios corpos, quanto ao que vestir. Não é a vida mais importante do que a comida, e o corpo mais importante do que a Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas.” São Mateus Capítulo 06 - 25 a 33 Jesus


MENSAGEM DE AUGUSTO CÉZAR NETTO (em que ele cita sua gratidão à Peirópolis), Da Obra “AMOR E SAUDADE”

AUTORES: ESPÍRITOS DIVERSOS

Psicografia: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER


Querida Mãezinha Yolanda e querido papai Raul; agradeço-lhes o abraço na lembrança do meu dia de reentrada na Vida Maior.

Parece pelo tom de minhas palavras, que desejo confinar as nossas expressões ao âmbito doméstico, mas não bem isso.

Estamos todos na mesma campanha de renovação e cada criatura a que nos ligamos pelos abençoados liames do amor se transforma aos nossos olhos em viga importante dessa construção de espiritualidade, em benefício de nós mesmos.

Conversamos com os nossos pais, entretanto, de nossos entes amados a idéia se irradia e vamos enfatizando a necessidade de compreensão maior entre nós todos no mundo.

Venho agradecer aos pais queridos, a atenção que puseram em minhas petições anteriores: transfigurar as alegrias de nossa casa em felicidade para os outros, em extensão.

Mãezinha Yolanda; com a proteção de Jesus e com as escoras de meu pai Raul; conseguimos fazer do nosso roteiro de saudades o mostruário dos caminhos que nos cabe percorrer, a fim de minorarmos o sofrimento, dele extraindo a substância precisa, a fim de que se faça o império da esperança onde estivermos.

Ensinam-nos aqui, onde me encontro, que no Plano Físico, somos braços do Divino Mestre para a continuidade da sua obra de redenção. E o único meio de oferecer cooperação ao Senhor e Mestre Nosso será o de transformarmos dor e saudade em serviço e bênção.

Temos demonstrado que isso é possível e agradeço-lhes quanto fez por mim neste novo natalício na Espiritualidade.

Quero dizer ao Papai Raul que eu estive no sorriso de todos aquelas crianças reconfortadas com o carinho que ele e minha mãe Yolanda sabem distribuir; parei junto à cada face de mãe, daquelas mães abençoadas pelas próprias necessidades que nos receberam os testemunhos de solidariedade.

Associei-me a cada velhinho que nos acolheu a alegria com tanta felicidade e compareci no contentamento de cada companheiro e de cada irmã que nos partilharam do encontro de fraternidade.

Muito grato a todos.

Por minhas palavras, querida Mãezinha Yolanda, o seu coração compreenderá que estamos juntos no planejamento do lar-oficina em que teremos serviço mais amplo para quantos desejem cooperar conosco e resultados suficientes para estender o nosso campo de obrigações na beneficência.

Mãezinha; compreendemos o seu ideal de agir mais, trabalhando mais e servindo mais.

Estamos todos, os companheiros de minha turma e eu, em preces ao Senhor para que seja encontrado o espaço, no que a nossa oficina de trabalho deva funcionar.

O primeiro Grupo de Assistência, nos tempos apostólicos, logo depois do regresso de Jesus ao Plano Divino, começou no esforço de uma senhora de nome Dorcas, que passou a costurar para os necessitados e a quem se agregou mais vasto número de cooperadores, surgindo o começo da caridade ativa, em meio das pregações do Reino de Deus.

Nosso ideal de uma obra assim, em que se materializem os ensinamentos que divulgamos, não é demonstração de antagonismo em nosso campo de ação e sim continuidade de serviço.

Primeiros aprendem através das nossas saudades o caminho para a nossa própria transformação e, recebido o mapa de jornada que temos em mãos, vejo em nossa oficina uma bênção de Deus que se segue às outras bênçãos de Deus que temos recebido.

Sigamos para frente.

A Terra, generosa como sempre, nos dará um lugar adequado para a edificação do bem a que estamos endereçados e não nos faltarão amigos para formar a colméia de paz e amor em que pretendemos unicamente atender ao nosso anseio de servir.

Creio seja compreensível que me expresse sobre o assunto neste dia 27, porque foi também num dia 27 que os nossos corações se viram repentinamente golpeados pela separação que não aguardávamos e que nos coube aceitar nos Desígnios de Jesus.

Agora, a nossa caminhada prossegue e o Céu nos abençoará.

Sou grato a todos os que nos estendem os corações e as mãos num gesto de confiança, em nossa fidelidade ao dever cumprido e marcharemos com o amparo de Deus, todos juntos.

Agradeço à nossa Wanda o apoio irrestrito com que nos estimula aos encargos que nos esperam, tanto quanto sou agradecido à tia Mafalda pela contribuição constante com que nos incentiva ao trabalho.

Agradeço todas as doações de alimento e paz que fizeram recordando o pobre rapaz que fui eu, como sou reconhecido à rosa que a nossa estimada Mercedes me trouxe, animando-nos a prosseguir na trilha em que vamos procurando realizar-nos com o bem e para o bem.

Agradeço a Peirópolis na pessoa do irmão Langerton, as vibrações de paz e de esperança em que me completo na certeza de que Deus me suprirá em minhas deficiências para ser o companheiro de trabalho que preciso ser e expresso a minha gratidão a cada árvore que ampara esta casa de amor para o desempenho de sua nobre missão.

Querido papai Raul; muito grato por ter vindo abraçar a nossa família maior.

A vó Otília e a vó Ermelinda aqui se rejubilam com os filhos queridos que são meu pai e minha mãe para ambas, na Vida Maior, assim como reverencio nos dois os pais queridos e inesquecíveis que me ensinaram que a vida vale pelo bem que se deve fazer.

E agora, peço a meu pai me permita dizer sem constrangimento que amo e amarei sempre Mãezinha Yolanda, por nossa benfeitora real.

Papai Raul; deixe-me sentir novamente criança.

Lembre-se; sou o seu Augustinho peralta e difícil, sempre a me acolher, quando menino, ao regaço materno, para que me visse protegido e resguardado para agir como julgasse melhor.

Pois, hoje, Papai Raul, eu cresci em tamanho e entendimento e se não posso colaborar consigo no porto das bênçãos, posso colaborar com a Mãezinha Yolanda em favor dos infortunados.

Muito grato por todo o seu dinheiro, iluminado de amor ao próximo, com que a Mãezinha Yolanda vai realizando o mais belo dos sonhos de qualquer vida humana: o ideal de seguir a Jesus com vontade de se parecer com Ele.

Olhe Mãezinha Yolanda; querido Papai, e veja quanta coragem lhe nasceu do coração para fazer o que realiza, pensando nas instruções do Senhor a quem aceitamos por nosso Divino Mestre.

Recorde os dias em que ela se erguia, entre nós, falando alto para me defender. Aquela fortaleza toda se transformou em trabalho pelos semelhantes.

Pai querido; ainda sou o seu adolescente amparado por minha mãe na jornada de luz em que nos achamos.

Abençoe-nos e auxilie-nos como sempre.

Envio o nosso afeto às irmãs e aos sobrinhos queridos e peço ao querido Papai Raul receber, com a minha querida Mãezinha Yolanda, todo o amor e todo o reconhecimento do filho que deseja trabalhar mais para ser melhor.

Sempre o filho, sempre grato.

AUGUSTO.
































Iolanda e Chico: Iolanda Cezar (mãe de Augusto Cezar Neto) e o médim Francisco Cândido Xavier






























Vista da Escola Espírita de Homeopatia e Fitoterapia na Vila Cantinho Espírita





























Estrada que ligava a praça ao Lar dos Apóstolos































Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo, na época em que o médium Chico Xavier participava das reuniões































Vista do Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo e da Farmácia de Homeopatia e Fitoterapia Frederico Peiró































Vista da Praça na Vila Cantinho Espírita, ao fundo o Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo e a Farmácia de Homeopatia e Fitoterapia Frederico Peiró
































Vista da Vila Cantinho Espírita, a esquerda o Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo e ao Fundo o Albergue.


OBS: a primeira porta a esquerda era o local onde o médium Francisco Cândido Xavier ficava hospedado quando de sua visita a Peirópolis, também foi nesse quartinho que o Chico psicografou os livros de Augusto Cezar Neto.


Que Deus Abençoe a todos


Muita paz


Geraldo Nunes




RETORNAR AO MEMORIAL DE LANGERTON


Fut7 Veteranos